Páginas

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Eu quando poesia


Trouxe aqui alguns versos
que passeiam dentro de mim,
me arrepiando, me desmontando, 
tirando meu ar, as vezes sim....

A cada instante de poesia
meus olhos se abrem em amor,
e o que antes era ironia
hoje desabrocha como a mais linda flor.

Posso escrever mil vezes
repito até a exaustão
que o amor que está em cada letra
vem de dentro da alma, além do coração.

Escrever traz para mim
um gosto preguiçosamente puro
um gosto esparramado pelo corpo
que chega, gosta e fica, seguro.

 
                                  



4 comentários:

  1. Escrever traz traços de encantamento, e quem lê todos esses versos alimenta a alma.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi, Vanessa, bom dia!!
    Nada tão delicado ou lindo quanto você ser poesia "(eu, quando poesia" ou "versos que passeiam / dentro de mim...") e escrever a poesia que é, em que se transformou sua vida ("o que antes era ironia / hoje desabrocha...") e que se tornou um gosto (ou um porto) seguro.
    Você sabe bem o quanto admiro sua habilidade incomum, sua capacidade maravilhosa de fazer o que sente se transformar em palavras. Mais uma vez, o poema confirma a fonte: você é extremamente bela no que escreve.
    Um beijo carinhoso
    Doces sonhos
    Lello

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Escrever é uma maneira de lidar com a vida, com o mundo, com nós mesmos. Se tudo que há, seja bom ou ruim, puder virar poesia, é melhor, mesmo que não seja o suficiente.

    Uns beijos grandes.

    ResponderExcluir