Páginas

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Nem água nem pó



Depois que toda aquela chuva passou seus pensamentos estavam iguais aos seus olhos: encharcados. Não conseguiam se manter aquecidas, nem secos.
Só o que conseguia fazer era procurar um motivo, uma justificativa para a situação que havia lhe tirado um pedaço do  peito.
Sentia a cabeça doer, o estômago comprimir, a voz falhar e o coração adoecer.
Sem falar que concentração essas horas some sem deixar nem poeira...
Aliás, poeira era só o que havia restado. Mas, ela pensava que aquela era apenas mais uma vez, pois uma história meio  parecida já havia acontecido, e ela se refez da chuva e depois da poeira.
Mesmo a última tendo sido a mais bruta e violenta para os seu sentimentos, sua vida não ia findar ali. Ela tinha ainda muitas histórias para viver e rezava toda noite para que nenhuma tempestade passasse por ela novamente.

Vanessa Lima

2 comentários:

  1. Dias melhores virão...

    Precisamos de um bocadinho de dor e de um bocadinho de tristeza para misturarmos com as alegrias e felicidades para adquirirmos esperiências...


    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Tudo cada vez melhor aqui, e tudo muito fundo. E dói. Espero que a dor seja só nas palavras, mas que a vida seja cheia de sorrisos.

    Beijos.

    ResponderExcluir