Páginas

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Não todo preenchido

Um pedaço do peito ficou vazio.
Ficou, como a língua, cada parte sentindo um sabor.
Mas a parte amarga ficou bem maior que a doce.

Confusão de cores


E depois de tudo,
as cores 
 foram se misturando 
 todas como tintas  
e já não dava 
 mais pra discernir
qual cor era aquela....
 tão entrelaçadas e soltas,
  iguais aos  
seus  
pensamentos.


terça-feira, 28 de junho de 2011

Não finjo..

Não finjo sentimentos.
Se não gosto de alguém não maltrato mas não amo.
Pra que fazer mal a uma pessoa que se diz amar?
É algum truque?
Algum teste?
Pra ver o quanto essa pessoa consegue suportar a outra lhe tomando o ar?
Isso pra mim não é amor, nem desamor....


É hipocrisia.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Quase tudo passageiro

Minha vida é como vontade: há e passa.
                              Se passa devagar sinto, e gosto e danço e curto e penso e grito e brinco e faço e peço e corro e fujo e amo.
                     Se ligeiro passa sinto, e leio e lembro e canto e aprendo e esqueço e quero e beijo e luto e bebo e proso e sofro e curo e amo.
       A única coisa que não deixo de fazer é amar. Isso torna minha alma viva.

Sombra

...E ela não era mais a mesma, porque o sorriso, o sabor, o som, a sombra não eram de sua existência.
 Ela não os tinha mais, e nem chorava, e se o fazia era as escondidas, como forma bruta de por pra fora e pra dentro ao mesmo tempo a dor, sem que isso a acalmasse.


 




segunda-feira, 20 de junho de 2011

(Sem)timentos

Minhas pernas não tremem mais por ninguém...
Meu coração não bate mais forte, nem as mãos suam mais e a boca fica seca.
Alguém já me tirou tudo isso, ou melhor, muitos alguens.
Espero não está esgotada.
Preciso sentir novamente que o poço está transbordando.



Por pouco tempo...

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Sem (am)ar

Ela havia mergulhado de cabeça no amor. E não foi de todo ruim, mas começou a faltar-lhe o ar, que para ela era imprescindível, mais até que o amor. E ela teve que emergir e aprender a viver somente com o ar.