Páginas

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Amor de vida inteira

Me rendo.
Como resistir 
a um amor que
já entrou várias vezes
pela mesma porta?
E ama, e vai.
Mas volta. 
Calma, amigo,
não é qualquer amor.
É amor de vida inteira
que se encaixa 
docemente no meu sorriso,
no meu olhar
no meu coração.
E o nosso abraço se faz paz
aconchego,
e tudo mais.
E eu penso: 
Como resistir a ti?


domingo, 9 de dezembro de 2012

Alguem especial

No começo, tu eras pensamento;
E era doce.
Depois, desejo;
E era forte.
Mais tarde, sonho;
E era lindo.
Então o tempo pôs a mão,
esquecimento.
Tempos passaram, lembrança.
E foste tudo novamente.
Contudo, faltava-te ser uma coisa: realidade.
E era doce, forte e lindo.
E era amor.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Abrigo


Eu poderia escrever das flores e dos desamores;
das praças ou das desgraças;
da lua e de suas fases ou
das brigas e suas pazes...

Faria das calçadas conversas públicas,
das filas, imensas súplicas,
das pontes de passagens
fios interruptos de miragens.


Andaria provocando risos.
Sim. Loucos e felizes risos.
De sonhos e alegres cantos
transformando no mais lindo encanto.

Por fim pediria abrigo
ao amor, pois não é de espanto
depois de satisfazer o amigo,
repousar  em seu confiável recanto.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Coração miúdo


As vezes não compreendo
como pode, meu coração,
comprimir desta tal forma
que tudo o que há aí dentro
de tão pequenino que fica, 
quase sem medida
aos poucos me sufoca.
E penso, e procuro resposta...
Mas, em vão, continuo iludida.
Peço então , coração miúdo, 
vai crescendo, ao menos um tanto,
para surgir lugar
para mais um amor santo.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Eu vou amar você


Enquento dormes
observo teu sono tranquilo
tua respiração bonita
os traços firmes do teu rosto.
Carinho-te o cabelo.
Beijo-te a testa.
Aumenta meu querer por ti
a cada suspiro mais forte
a cada mexer do teu corpo
com o rebuliço do sonho.
Sim. Além de tudo meu amor é grande.
E direi a ti, por todo o sempre
que minha vida desabrochou 
em mil flores belas 
quando teu olhar
adentrou em mim.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Pontas-de-pés.




Nosso amor à princípio como campo minado
fazia-me andar em pontas-de-pés.
Você, mais ousado,
andava como que fosse em tapete macio.
Tua coragem me impressionava e
minha reserva te intrigava...
Mesmo assim, encantava-te com minha maneira de mexer
com teus pensamentos, sentimentos e desejos
Sobretudo com a forma que lidava com meu gostar por ti:
Sensata, tranquila...
Máscara diária.
Por dentro ardia um desejo incalculável
de te ter o tempo todo.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Eu quando poesia


Trouxe aqui alguns versos
que passeiam dentro de mim,
me arrepiando, me desmontando, 
tirando meu ar, as vezes sim....

A cada instante de poesia
meus olhos se abrem em amor,
e o que antes era ironia
hoje desabrocha como a mais linda flor.

Posso escrever mil vezes
repito até a exaustão
que o amor que está em cada letra
vem de dentro da alma, além do coração.

Escrever traz para mim
um gosto preguiçosamente puro
um gosto esparramado pelo corpo
que chega, gosta e fica, seguro.

 
                                  



sexta-feira, 10 de agosto de 2012

De olhos fechados






De olhos fechados sinto minha pele arrepiar
ao som sincero e delicado de tuas palavras atraentes.
A cor dela muda e logo começa a corar
deixando à vista esse sentimento veemente.

De olhos fechados sinto tua presença
olhando-me de longe, sonhando...
E andas até mim, manso, sem descrença,
Tenho certeza de que és tu, me amando.

De olhos fechados continuas me fazendo crer
que o amor teu por mim é grandioso.
Fazes tanto aumentar o meu querer,
toma-me nas mãos por demais de carinhoso.

De olhos fechados,deixo-me envolver
pelo teu calor descomunal,
Faço todo dúvida esvaercer
e gozaremos deste nosso amor celestial. 
 


sábado, 4 de agosto de 2012

Desescrevendo



Estava desescrevendo sua história
Aliás, a sua e a dela, que era a mesma.
Fez menção de ir embora,
Mas de nada tinha certeza.


Se fez, então mudo, calado
Como silêncio de quem espera
Espera mansa do amado
de tê-la de novo, quem dera...

Com o amor batendo à porta,
ela já sem esperança,
abriu o sorriso mais belo
e tudo voltou à lembrança.


Do olhar lacrimejante
Surgiu fascinante brilho,
A sua história até aí, finda
reviveu estonteante e linda.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Elas me fazem tão bem....


 

As palavras me aceitam como sou
Elas não precisam de nenhuma explicação
Não cobram estratégias,
Nem ações.
Sabem que basto a elas e elas a mim.

Sou tão cheia delas que me inundo e
transbordo...
e saem assim:
frescas, livres...

E de tão fáceis que são,
te envolvo, "prendo" e te mantenho aqui
por vontade própria, é claro.
Pois tens um apetite fora do comum por mim

Minhas palavras fazem todo sentido
quando digo do amor
da paixão, do gosto descomedido
que por ti  tenho.

Faz-me, então, feliz
e dá-me mais inspiração
e as palavras que sairão de mim
serão lindas.